segunda-feira, 16 de julho de 2012

Luna e Gabriele


"Heey Gui, tente me fazer rir", Eu disse enquanto ficava séria na web, "PUDIM", ele disse absolutamente do nada. No fim das contas nós dois rimos sem parar. Fiquei feliz de saber que eu não era a única retardada do mundo que achava a palavra "pudim" hilária.

Essa situação aconteceu esses dias, foi extremamente fofo e bobo. Às vezes situações que vivemos no mundo online acabam sendo mais memoráveis e divertidas do que as do offline. É normal que a postagem de hoje acabe ficando longa, compensando os dias que eu não postei nada. As histórias que eu tenho para contar hoje serão bem interessantes para o pessoal que joga MMORPG e semelhantes, aproveitando as ideias que eu tive por causa do anime Sword Art Online. Eu passei todos meus anos até hoje tendo duas vidas: a da Gabriele e a da Luna.

Sim Bruno, você continua emo
Lovers, minha primeira Guild <3
Meus pais colocaram banda larga em casa em 2008, desde então parei de assistir TV e comecei a explorar a internet. Passava metade do dia praticamente nessa vida de Luna, que eu acabei adotando pra mim de nickname quando conheci meu primeiro MMORPG, Lunia. Minha primeira char nunca irei esquecer, era uma sacerdotisa, Lunamel. Não guardei nenhuma print dela e por motivos bobos a exclui depois de um tempo. Voltei para o Lunia com outro nick, Suzumyia, na qual fiz vários amigos e passei por muitas coisas. 


Suzu com set de aparência cash Salão Rosa *-*

Bruh emo, eu e Kansei ^-^
Acabei parando e voltando com o Lunia várias vezes, muitos amigos continuavam, enquanto alguns eu perdia o contato. Então acabei mudando para outra personagem, uma Dark Eir, sacerdotisa das trevas, Fleurelly. Foi minha última personagem nesse jogo, mas que significou tanto para mim quanto as outras. Foi no Lunia que abandonei a linguagem “internetês” e comecei e escrever certo, por influencia de um amigo de lá. Por causa do Lunia passei muitas noites chorando por paixonites e amores não correspondidos. Era engraçado como acabamos levando as vidas que levamos nesses jogos tão a sério. As amizades acabam ficando tão fortes quanto as reais e por mais que seja por uma tela, as aventuras também.

Nesses intervalos de tempo eu joguei vários outros MMOs, mas por pouco tempo. Logo depois que eu disse "adeus" ao Lunia pela última vez, entrei no jogo que mais ficou gravado em mim e mais me conquistou: Aika.
Meilleure: Minha tortinha de limão =3
Vários amigos meus do fórum que participo até hoje estavam jogando, então acabei indo junto. Esse foi o jogo que definiu meu nick "oficial" em jogos, Meilleure. Tirei ele do mangá Sugar Sugar Rune, é o sobrenome da personagem principal. Criei uma sacerdotisa, como em todos os RPGs que jogo. Sobre o Aika, pode parecer bobo, mas quando me lembro hoje de tudo o que eu passei lá começo a chorar. A maneira que o jogo acontecia e o jeito que os jogadores tratavam isso parecia fazer ele ser realmente outro mundo. Era o lugar onde eu me sentia mais a vontade, sempre fui envergonhada de falar no TS e coisas assim. Lá era diferente, eu me sentia feliz com todos meus amigos e não tinha medo de dar minha opinião. Me sentia viva. Eu sempre fui muito insegura em relação à build, em aprender por minha conta as skills e quais eram boas e não. O Aika foi o único game que eu me sentia segura e decidida sobre as skills, conseguia montar várias builds e a minha própria, sendo boa com ela, o que foi uma grande conquista pra mim. Infelizmente os brasileiros tem o belo talento de estragar tudo o que colocam as mãos. O jogo acabou ficando lotado de hackers, desanimando muito. No começo muitos de nós não queria acreditar, tentando arrumar explicações de bugs do próprio jogo, mas com o passar das semanas era impossível ignorar a existência dos hacks. Se eu começar a me aprofundar nas histórias e citar nomes, vou acabar fazendo um grande post sobre minha época no Aika, que na minha opinião, merece um post próprio mais tarde. Nunca mais achei um lugar como o Aika.

Meilleure: Minha sacer élfica
Depois de um tempo vagando sem rumo (HUASUHSAHU le- drama), comecei a jogar Irís Online, onde me diverti muito e era inseparável em relação a Fannye. A época no Iris foi curta, mas rendeu boas risadas por causa do maldito Ctrl + V (quem jogou entende a dor), tinha um bug que o que estava no seu Ctrl + V aparecia do nada quando você escrevia a letra "V", não dava tempo de perceber que as coisas apareciam antes que você apertasse enter *vergonhaoverpower*.

Por fim, o último MMO foi Forsaken, comecei no Open Beta e fiquei extremamente triste por o limite de letras para o nome do char ser 8 UHASHUASUHUHSASA. Acabei colocando o nome da minha pran do Aika na minha sacer elfa, Lafleur (vulgo La Folha).
Fannye e eu
Fannye estava jogando comigo e outros amigos. Ficávamos até tarde em conferencias no skype e "pescando" UHASUHSAHUASHUSA. Não posso deixar de citar o dia que mais me emocionou no Forsaken. Era o leilão das bases, várias guilds tinham chance por serem muito cashers e terem ajuda da guild que tinha mais elementos que torravam um dinheiro que nem em sonhos eu imaginava. Estávamos em muita desvantagem, faltava pouco para acabar e a liderança jogou a seguinte proposta no TS "Se vocês querem a base, deem todo o dinheiro que vocês tem no inventário, agora!", todas as pessoas da guild se mobilizaram e juntaram o que podiam, fizeram quests que davam dinheiro e lutaram. Perto do horário demos o lance e ficamos todos na mesma sala do TS, brincando e conversando para descontrair, todos estavam muito nervosos. O horário havia chegado, não deram mais lances à tempo por cima do nosso. A alegria e gritos foram gerais no TS quando a tela de todos os jogadores da NewUnion se encheu de flores mostrando que havíamos conseguido a base. Eu chorei muito, foi lindo a união de todas as pessoas pela causa, e o resultado ser positivo fechou tudo com chave de ouro. Acabei parando de jogar por o jogo me decepcionar com a quantidade de diárias, que não deixava explorar as outras funcionalidades melhor e os cashers, que conseguiam uma vantagem muito grande.

Mesmo não saindo de casa eu passei por várias coisas em todos esses jogos, conheci muitas pessoas, ri, chorei, revoltei, gritei e permaneci forte até o fim das minhas jornadas. Cada um desses jogos que eu vivi por uma parte de minha vida merecem serem melhor contados. Esse post só foi um geral, eu sei que poderia ter escrito melhor, queria poder ter me expressado melhor. Muitas pessoas vão ler e não entender o que eu digo aqui, outras talvez se emocionem lembrando de suas próprias aventuras, desde os tempos que nem sabiam o que era skill até o momento que lideraram uma guild. Posso estar longe de MMOs há algum tempo, mas não quero que minhas histórias de healer acabem por aqui. 
E por que sempre uma healer? Começou simplesmente pela Eir, do Lunia, ser a única personagem feminina na época. Conforme eu jogava com ela, começava a tomar um amor muito grande por curar, poder ajudar um grupo e fazer essa diferença. Eu acabei não conseguindo ser outra coisa além de sacer, quando jogava com outra classe não sentia ser eu. Minha personalidade acabou se encaixando no perfil da healer do grupo, que muitas vezes se sacrificava para todos saírem salvos ou se jogava em uma multidão de players de outra nação para conseguir salvar a relíquia da templária. Na minha humilde opinião, a melhor sensação do RPG é a que os healers sentem, quando conseguem lançar uma cura no último segundo, chegar no momento crucial e fazer o rodízio perfeito de curas durante um ataque massivo. Afinal, a vida de todos está em suas mãos. 

Como o Kirito (Sword Art Online) disse: "É um mundo virtual, mas eu me sinto mais vivo aqui do que no mundo real".

Alguns outros jogos que eu joguei por um tempo menor:

Eden Eternal

Allods
Flyff
Dragon Nest
Não sei como mais vivi até hoje, como Luna ou Gabriele. Só sei que com o passar dos tempos elas pararam de ser duas pessoas diferentes: As duas começaram a se tornar a mesma pessoa. Não sei se foi a coragem de uma assumir os defeitos e qualidades da outra ou todas as dificuldades e felicidades que passei.

Para quem não conhece o anime Sword Art Online ainda, deixo a abertura do anime aqui =3







quinta-feira, 12 de julho de 2012

Solon e Design






"E se nos verem?" Eu disse com muito medo, "Não vão nos ver, vamos dizer que estavamos perseguindo um gato" Disse a Stéphanie bem feliz tacando o foda-se, "Cara, to com medo desse lugar, e se aparecer alguma coisa assustadora?" Falou Sandy encolhida atrás da Sté, "Melhor, eu digo que tava tirando foto de paisagem mórbida para um trabalho" Concluí com determinação enquanto atravessavamos aquelas várias poças de água, cercadas por esqueletos do que um dia foram carros, caminhões e vans: Estavamos em um cemitério.

Esse foi um trecho de uma das lindas aventuras que eu tive de manhã (ontem), proporcionada pelas minhas queridas amiguinhas Sandy e Sté, enquanto que deveriamos estar na aula de eletricidade.  O que me lembra que amanhã (hoje) vai ser o último dia que verei minha turma do curso de TI inteira (Ou quase, um viva para a preguiça de ir ao churrasco), final de semestre e não sei quantos vão continuar no próximo. Toda essa situação me faz lembrar sobre várias coisas engraçadas que aconteceram esse ano em um prédio escondido do lado dos galpões do DAER, chamado Solon Tavares.

Era começo de ano, e eu parecia um coelhinho saltitante e alegre. Havia dado o primeiro passo para realizar meus sonhos, cursar Design na Unisinos. Comecei no final de Fevereiro, e tudo parecia uma fantasia, tudo me fascinava e todos da faculdade adoravam meus desenhos, eu ficava extremamente sorridente com isso. Haviam oportunidades que eu ainda conseguia chegar no mercado público na volta da faculdade, e comia meu adorado Temaki Alaska. Assim se passou uma semana incrivelmente perfeita para quem já estava acostumada a se ferrar em tudo o que tentava fazer. Porém tinha um detalhe, o design na Unisinos custava o rin, fígado, pulmão direito e de quebra alguns metros de veias cardíacas. Impossível de bancar sem o FIES, para minha família. O final dessa história é óbvio, acabou não sobrando fundos do FIES para mim, e eu tive que parar na segunda semana, antes que tivesse que pagar a conta do mês. Entrei em desespero e chorei muito, quem já teve um sonho muito importante em mãos e perdeu sabe do que estou falando. Eu tive forças não sei de onde (provavelmente nosso amado Goku estendeu a mão para mim nesse momento tão difícil). Acabei me lembrando que havia me matriculado no Solon (Curso de TI, no meu caso), no ano anterior para esse. Corri atrás do telefone desesperada para saber se minha vaga ainda estava lá, para nossa minha alegria tudo estava OK. Desde então comecei a ser uma guerreira de TI ( UHSAUHSAUHSAUH -q). Conheci várias pessoas legais, continuei estudando com as emas da Calisa e Sté, que estão comigo desde o ensino fundamental e me tornei líder da turma por que mais ninguém quis. Eu aprendi o que era ter força nessa época, por conseguir ter me reerguido depois de um golpe tão cruel para mim e fazer o ano valer a pena. Sempre que acontecer algo ruim não nos devemos deixar abater, mas sim buscar o lado positivo e usar o vento ao nosso favor. Eu me divirto muito todas as manhãs e fico feliz por poder estar lá com as pessoas que eu gosto, fazendo algo que também me agrada tanto quanto o design. Não tem problema em ter falhado da primeira vez, eu fiz minha parte, passei no vestibular e batalhei. O sistema ruim desse país e da administração geral acabaram me derrubando, mas sempre terá um próximo ano. Um dia ainda ou não -q chegarei no blog e postarei minha (segunda) faixa de "Gabriele-Design Unisinos".

Bônus
Hoje foi o churrasco das turmas da manhã do Solon, pra encerrar o semestre, e quero compartilhar com vocês minhas duas LINDAS e SENSUAIS coleguinhas, não se afobem, meninos, tem para todos HUSUAHHUASUHSAUHSA -q


terça-feira, 10 de julho de 2012

Crianças e Unicórnios Robôs





Tá chovendo, eu to cansada por ter jogado D3 até tarde e o vento fazendo uma sinfonia lá fora. Só preciso ir pra ver se passei em inglês, mas... “MANHÊêê, eu não vou pro curso hoje”.

Em estado de véspera de último dia de aula do semestre venho aqui saltitante. As férias estão chegando junto com minhas madrugadas postando coisas sem sentido no Facebook, jogando D3, The Sims 2 (ou continuando com os malditos downloads), Minecraft ou qualquer outro game que eu invente de jogar (Aceito sugestões). 

Em meio a uma conversa hoje um amigo me deu idéia de um assunto. Sinceramente, o que a TV aberta e a mídia de hoje em dia está fazendo com as crianças? O prédio de uma escola de ensino fundamental está em risco, pois há um “esqueleto” de um outro prédio do lado com risco de desabamento. Os malditos donos filhos de uma honrada mãe do prédio deveriam implodir logo ele, mas o sistema desse lindo país no qual vivemos é um orgulho. O resultado disso é que todas as crianças foram transferidas para o prédio do meu curso, que fica do outro lado da droga da cidade (Joinha pro pessoal do Solon que ta lendo isso), que só foi lembrado pelos queridos políticos quando convém. O que mais me deixa em estado “poker face” não é a aglomeração nas saídas, as gritarias, os constantes mini terremotos ou a impossibilidade de entrar no banheiro feminino, mas sim as meninas de 9 anos que tem mais maquiagem na cara do que aquelas peruas que aparecem nos filmes americanos. Com 9 anos eu nem sabia o que era blush! Além disso, elas não se comportam como crianças, usam roupas de mulher, bolsas e sapatos de salto. Pode parecer um pouco fútil, mas a maneira delas se vestirem também reflete o tipo de coisas que elas pensam e fazem. As crianças que chegam na faixa dos 10 anos em média tem vergonha de admitir que brincam e fazem coisas de... crianças!! Antigamente moda era ter o mais novo brinquedo, bicho de pelúcia, cards e coisas assim. Agora elas competem pelas roupas, número de “ficantes” e sujeitinhos ridículos impostos pela TV aberta em tardes de domingo.  Infelizmente meu priminho, com apenas 5 anos, já veio para mim e disse “O Neymar é legal, ele é estiloso”, eu simplesmente levantei minha cabeça do livro que estava lendo com a expressão mais absurda da minha vida e perguntei:  “Felipe, você é um menino inteligente, que sempre gostou de Lego, Star Wars, Harry Potter, videogame e animes, de onde você tirou isso?” , então ele me responde: “Meus colegas falam disso e eu vi na TV”, mil métodos de tortura da idade média passaram pela minha cabeça, mas decidi tentar explicar para ele o quão ridículo esse cara é.  Por falar em TV, como as crianças de hoje em dia vão entender o prazer de chegar em casa e ver Dragon Ball, Sakura Card Captors, Bob Esponja e outros desenhos, se até a Rede Globo cortou a única coisa que prestava em sua programação? Eu não sei a partir de qual momento tudo isso começou a acontecer, não irei me estender mais nesse assunto (apesar de eu poder escrever uma epopéia sobre minha indignação com a infância que as crianças que nasceram nos anos 2000 estão tendo).

Bom, meu post de hoje fica por aqui, antes que eu apanhe pela quantidade de texto. Também gostaria de saber o ponto de vista de vocês sobre esse assunto, não sei se abordei bem, mas com o tempo minha escrita vai ficar melhor. Que todos tenham um dia, tarde, noite ou madrugada cheia de unicórnios robóticos saltitantes. (Me lembrei desse jogo agora HUSAHUASUHA) -> http://games.adultswim.com/robot-unicorn-attack-twitchy-online-game.html

"Always 
I wanna be with you 
And make-believe with you " -q

segunda-feira, 9 de julho de 2012

He is We e efeito zumbi


Oie, pessoas sem nada para fazer. Eu já postei essa música no meu Facebook umas duas vezes pelo menos, mas eu realmente amo as músicas dessa cantora. Elas são fofas e tristes. Tipo de coisa melodramática que me deixa feliz (?!).

Por falar em um drama muito grande, eu havia ficado com atraentes olheiras e uma voz arrastada. Excelente para fascinados por zumbis (Sankarea!! o/). É uma beleza, a pessoa passa em lógica, algoritmos, circuítos e o caramba a quatro e fica com tabelas do excel como recuperação... bem-vindos à minha vida, fechem a porta, coloquem pantufas e tragam os biscoitos -_-"
Eu estou faz duas semanas fazendo downloads de coisas para meu The Sims 2, sério, você acha que acabou, mas sempre tem outro site asiático cheio de coisas épicas, é viciante (Quem joga The Sims 2 e é viciado em download de acréscimos sabe da minha dor). Pior que daí você começa a jogar e pensa: "Enjoei...", como minha amiga Cookie disse "Fazer os downloads tem mais graça do que o jogo em si'  XD
Eu gosto de fotografar meus Sims no jogo, é legal quando se tem uma caixa de poses.


 Eu adoro Sims com a pele quase branca, se aproxima muito de uma boneca de porcelana.
Cabelos coloridos e coisas cute também me agradam muito.



















Outra coisa que é divertido criar e tirar fotos
são casais de irmãos gêmeos.












Voltando ao assunto sobre caminhar morta  dormindo, me sinto uma velha, antigamente passava noite sem dormir e continuava bem, deve ser efeito da falta de um char pra upar... Saudades dos meus tempos de MMO no TS.
Bom, hoje foi bem aleatório, monótomo e sem graça, eu estava sem pautas. Da próxima vez farei algumas pautas para escrever. Por enquanto é isso *descansando para a próxima festa do chá*


Madrugada



Aqui estou junto com minha ótima habilidade de deixar tudo para a última hora. Pior é o Minecraft aparecer magicamente na frente da minha planilha, para deixar a minha aventura de terminar o trabalho a tempo mais emocionante.


Quando criei esse blog me perguntei: "Que tipo de coisas eu irei escrever lá? Mal cuido de um peixe de aquário e já vou tentar levar um blog pra frente?", então decidi fazer uma espécie de diário, misturado com ideias minhas, poemas, críticas de animes/livros, games, músicas que me agradam... enfim, tudo o que cerca meu mundo doce e colorido de Cupcake. Tentarei mostrar aqui como é a vida de uma estudante de TI que sonha em ser Designer (Como eu acabei misturando essas coisas? ...) e passa por situações um tanto estranhas em seus dias.

Enfim, espero que se sinta á vontade para passear por meu País das Maravilhas.
Aproveitando, irei deixar um poema que já tinha postado em meu outro blog (que atualizo de vez em nunca).





O Baile da Decisão
Como vou decidir?
Que indecisão!
Pego sorvete e fondue,
Ou pão de queijo com milkshake de limão?

Muita calda de morango,
Colorindo uma branca montanha gelada,
Um balé de frutas picadas,
Em uma pista quente de chocolate com uma bela fachada.

Uma bandeira macia e fofinha,
Queijo quente misturado com farinha,
Chocolate, leite e limão,
Juntos em uma metamorfose no saguão.





Nos vemos na próxima hora do chá.